Quem somos    |    Nossa solução    |    Blog

Mão com uma caneta escrevendo em um livro de atividades de inglês, para ilustrar a importância dos testes de proficiência

Realizar testes de proficiência ajuda o estudante a conhecer o seu nível do idioma e abre portas para oportunidades educacionais e profissionais

Em um mundo cada vez mais interconectado, o inglês é frequentemente utilizado como a língua franca dos negócios e da comunicação internacional. Nesse cenário, ter um certificado de proficiência da língua inglesa é uma ferramenta valiosa para abrir portas tanto no campo educacional quanto profissional.

Nathalia Prete, consultora de relacionamento da Skies Learning, comenta a importância de os estudantes realizarem esses exames internacionais em vários aspectos:

Os exames internacionais de inglês fornecem uma medida objetiva do nível de proficiência do aluno, o que pode ser solicitado em processos seletivos para universidades ou vagas de emprego.

Como são amplamente reconhecidos por instituições acadêmicas ao redor do mundo, ter uma certificação internacional de inglês pode facilitar processos de admissão em universidades estrangeiras, bolsas de estudo e programas de intercâmbio.

Muitas empresas consideram a proficiência em inglês como um requisito básico para a contratação e promoção.

Ao preparar-se para esses exames, os alunos geralmente aprimoram suas habilidades de leitura, escrita, audição e fala, o que é benéfico não apenas para o exame em si, mas também para o seu nível de conhecimento e domínio do idioma.

Passar em um exame desse tipo representa uma conquista significativa e aumenta a confiança dos estudantes em suas habilidades linguísticas, mostrando que são capazes de se comunicar efetivamente em inglês em contextos diversos.

Preparação para os exames de proficiência

Embora muitos considerem que só os alunos que aprenderam inglês além da escola regular estão aptos para realizar esses exames, esse pensamento nem sempre corresponde à realidade. Isso porque um bom ensino do idioma no ambiente escolar pode ser suficiente para preparar os jovens para os testes e garantir aprovações com bom desempenho.

A Skies Learning, por exemplo, possui um currículo de duas a cinco aulas de inglês na semana. “Quanto maior a carga horária do aluno, maior a exposição e o tempo de prática. Quem faz duas aulas semanais consegue chegar ao nível A2 Key de acordo com o CEFR (Quadro Europeu Comum de Línguas), ou seja, já pode prestar certificação para Flyers de Young Learners”, explica Nathalia. “Entretanto, devemos sempre nos lembrar que aprender uma língua adicional requer técnica, professores bem-preparados e, principalmente, empenho do aluno”, ressalta.

Desenvolvimento das habilidades linguísticas

Para ajudar os alunos a desenvolverem suas habilidades linguísticas, o material da Skies Learning tem uma abordagem lúdica, sempre oferecendo tempo para a prática. Na Educação Infantil, são trabalhadas duas habilidades – escuta e fala – e, a partir dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, são incluídas mais duas – leitura e escrita. “As atividades do material conseguem trazer mais experiência para o aluno lidar com os exercícios dos exames”, destaca a consultora.

De acordo com ela, é importante o equilíbrio na utilização dessas habilidades. Por exemplo, aulas de língua para aprender regras gramaticais e vocabulário, e aulas de projetos (expansion) para colocar isso em prática e debater com a turma um tema específico. “Assim, os alunos têm a oportunidade de ampliar o repertório linguístico e cultural e desenvolver um olhar crítico.