Quem somos    |    Nossa solução    |    Blog

A forma como os estudantes encaram os desafios e lidam com os erros influencia no aprendizado de uma nova língua

Quando nos deparamos com um desafio, como aprender uma segunda língua, podemos nos posicionar de duas maneiras diferentes. A primeira é acreditar que só se consegue dominar o novo idioma quem nasceu com o dom e não há espaço para erros – caso contrário, é uma grande frustração. A outra forma é entender que as habilidades necessárias podem ser desenvolvidas por meio de um bom ensino e muito esforço. Nesse caso, os erros fazem parte do processo.

Quem pensa dessa segunda maneira exerce o que a psicóloga Carol Dweck, professora da Universidade Stanford, chama de “mentalidade do crescimento”. Trata-se da ideia de que podemos aumentar a capacidade de nossos cérebros para aprender e resolver problemas. Esse modo de pensar, segundo a especialista, faz com que estudantes consigam alcançar mais seus objetivos, já que, por acreditarem, colocam mais energia no processo de aprendizado.

Mas como desenvolver a “mentalidade do crescimento”?

Muitas vezes, estamos tão acostumados a lidar de uma forma com os problemas ou desafios, que se torna um padrão de comportamento. Para encarar diferente as situações, é preciso mudar hábitos e colocar foco no que realmente importa. Dweck diz que, desde a infância, é importante que os adultos elogiem o processo em que as crianças participam, não a inteligência ou o talento em uma tarefa. Dar ênfase nos esforços, nas estratégias, no foco e na perseverança resulta no desenvolvimento de crianças destemidas e resilientes.

Receber críticas ou tirar uma nota baixa pode, facilmente, abalar a confiança e inibir o crescimento. Em seu TED Talks, Dweck destaca o uso da palavra “ainda” como uma maneira de aceitar o processo e criar um caminho no futuro. Quando o medo aparece para encarar um desafio ou um resultado insatisfatório, em vez de pensar que não é inteligente o suficiente para resolvê-lo, a ideia é trocar por: “eu ainda não resolvi”. Com isso, o estudante entende que está em uma curva de aprendizagem, não em um jogo que não admite erros.

É hora de sair da zona de conforto!

Sair da zona de conforto e se desafiar também é um modo de fortalecer a “mentalidade de crescimento”. Toda vez que buscamos aprender algo novo e difícil também estamos exigindo que os nossos cérebros criem novas e mais fortes conexões para entender e absorver o conteúdo.

No caso do aprendizado bilíngue, por exemplo, é importante aproveitar as aulas de inglês para praticar o idioma com os colegas e ir construindo confiança para conversar com outras pessoas. Preocupar-se menos em errar e entender que a fluência vem por meio de um processo é fundamental.

Pode ter certeza: virar essa chave, encarar o erro de forma positiva, vai fazer muita diferença no aprendizado do inglês e em qualquer área da vida.