Quem somos    |    Nossa solução    |    Blog

Em consultório médico com quatro pessoas no total, duas pessoas conversando no fundo, em primeiro plano doutor mostrando um computador com imagens de cérebro para uma mulher, para demonstrar a neurociência por trás da idade de aprender inglês

Pesquisa do MIT revela respostas para uma pergunta já feita há muito tempo na neurociência e mostra como o cérebro processa o aprendizado em cada idade

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) realizou um dos maiores estudos de coleta de dados sobre a capacidade de aprendizado de línguas já visto. Foram quase 670 mil pessoas participando de um teste de gramática da língua inglesa, para depois revelarem a idade e quando começaram a aprender inglês.

Por mais que os cientistas já tivessem uma ideia de que é mais fácil aprender um novo idioma quando se é criança, isso era algo muito difícil de provar em laboratório. Por exemplo, quando trazidos para uma sala e ensinados conceitos em um dia, adultos se saiam melhor do que as crianças, mas isso provavelmente não reflete o conceito de aprendizado do idioma como um todo ao longo do tempo.

Os resultados desse novo estudo sugerem que, para ter o conhecimento de um idioma como um nativo, o ideal é começar a aprender até os dez anos de idade. Essa “janela de aprendizado”, período no qual é mais fácil aprender esse novo idioma, dura até os 17 ou 18 anos. A partir dessa idade, começa a haver um declínio na curva de aprendizagem.

A neurociência explica

Com os resultados obtidos, Joshua Hartshorne, professor assistente de psicologia no Boston College, que conduziu esse estudo como um pós-doutorado no MIT, e os outros pesquisadores concluíram que a capacidade de aprendizagem gramatical permanece forte até aos 17 ou 18 anos, e diminui após esse período. Os resultados foram surpreendentes, pois o debate entre cientistas, até então, era sobre se a curva de aprendizado diminui a partir do nascimento, dos cinco anos de idade ou da puberdade.

O estudo também reafirma que adultos ainda são bons em aprender outras línguas, mas não com a mesma facilidade ou com uma fluência nativa como as crianças que começam aos dez anos. Também não há muita diferença entre os que começaram antes dessa idade, mas a partir dela, a curva já começa a decair.